sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

PROJETO CINEMATOGRAPHO




Curso Básico de Vídeo - Formador de Multiplicadores
ESCOLA LIVRE DE CINEMA E AUDIOVISUAL


  
Premissas
A facilidade aliada a mobilidade das novas mídias, a rápida evolução dos veículos de comunicação, redução dos custos possibilitando acesso às ferramentas dos meios de produção desse segmento. O audiovisual é um dos segmentos que mais cresce, apesar de todas as adversidades. Criou-se a ilusão de que realizar uma peça audiovisual, é algo elementar, basta ligar a câmera e deixar que ela faz tudo.

É verdade também que nesse novo contexto, o audiovisual está ao alcance de um número significativo de brasileiros. Câmeras, computadores, internet, celulares, que facilitam captar e usar imagens e sons para expressar ideias, mostrar diferentes realidades, compartilhar e divulgar maneiras únicas de ver a vida e refletir sobre, como, e por que as coisas acontecem.

O cinema e o audiovisual, além de ser objeto comercial e industrial é acima de tudo arte, manifestação de um povo. A imagem em movimento, associados à linguagem escrita e sonora, permitem a compreensão do mundo até mesmo para aqueles ditos não alfabetizados. A alfabetização hoje é vista com olhos, que vão muito além da linguagem escrita, perpassando por todas as outras linguagens. Como já constatado por Howard Gardner e suas múltiplas inteligências, “o homem se alfabetiza por vários segmentos”. A leitura da linguagem visual necessita de uma aprendizagem adequada para se tornar significativa, na busca de um conhecimento integral.

O objetivo é a alfabetização visual, para uma melhor leitura do mundo em que se vive através de uma construção participativa do saber.

A metodologia da Escola Livre de Cinema e Audiovisual de São José dos Campos, sedimentada no tripé: a) saber cognitivo do aluno; b) natureza coletiva do cinema e do audiovisual e c) formação cidadã do homem, enquanto parte integrante do meio sócio cultural ao qual pertence está espelhada também na pedagogia tradicional do Cineclubismo, enquanto formação do olhar, nas Escolas de Cinema de Santa Fé, criada por Fernando Birri na Argentina, Escola de Santo Antônio de Los Banhos, de Cuba, inspirada por Gabriel Garcia Marques e nas experiências das oficinas “Um Certo Olhar”, desenvolvidas por Diogo Gomes dos Santos na Casa de Cultura do Butantã, São Paulo; Fundação Cultural Cassiano Ricardo de São José dos Campos, SP; Departamento de Cultura de Diadema, Departamento de Cultura de Várzea Paulista, SP, na Secretaria de Cultura de Ibotirama, BA e nas referências bibliográficas e filmografias gerais da escola e as de cada disciplina dos cursos da grade escolar.

Tal formação profissional inclui a produção e transmissão do conhecimento de forma contínua e inacabada, conduzindo-os a um posicionamento crítico frente à produção científica, industrial e cultural, bem como, possibilitar aos educandos, postura crítica frente à realidade que os cerca. Tudo isso, compreende o binômio Estudo/Criação, capaz de sustentar a formação de profissionais habilitados a socializarem o conhecimento. O curso geral terá duração de 2 (anos) anos distribuídos em 4 (quatro) períodos.

Além de formar profissionais para a realização das imagens em movimento, os cursos da ELCASJC compreendem também, a iniciação no exercício da pesquisa, contribuindo para o desenvolvimento da linguagem do audiovisual brasileiro, da preservação da memória e do "pensar/repensar, aprender a reaprender" a cultura da história audiovisual do país, enquanto ciência em processo permanente de construção coletiva do saber. É neste espaço de construção do saber que está localizada a proposta de Curso Básico de Vídeo e Formação de Multiplicadores.


JUSTIFICATIVAS
Se compreendermos que o ato de ensinar é por excelência o ato de aprender a reaprender, temos no Fédon de Platão, o princípio da metodologia a ser aplicada no projeto do Curso Básico de Vídeo - Formação de Multiplicadores, onde prática e teoria são vias de mão dupla. Antes de formar especialistas, técnicos habilitados ao ofício de uma profissão, o curso se propõe a estimular o desenvolvimento humano dos alunos, apontando para a construção de uma sociedade cujos membros persigam sua cidadania, num ato permanente de criação e construção do refletir e do saber fazer, utilizando o produto audiovisual como ferramenta motivadora do debate.


OBJETIVOS GERAIS

  • Capacitar os alunos na produção audiovisual, apresentando-os a cada etapa pela qual passa uma idéia até que ela se torne um produto audiovisual;

  • Orientar a busca dos estudantes por informações e conhecimentos específicos do setor audiovisual e do fazer artístico, capacitando-os a continuar sua formação após o curso e incentivando-os na busca permanente de conhecimento;


  • Estimular o trabalho coletivo, fundamental na produção audiovisual, através do desafio de uma produção nascida desde a idéia durante o curso até a sua finalização como produto audiovisual;

  • Capacitar os alunos a compartilhar o conhecimento adquirido, oferecendo metodologia e técnica, para que possam aplicá-las em oficinas multiplicadoras junto às suas comunidades.

PROGRAMA DE CURSO

DIA 1
Apresentação da proposta de curso;
            Produção industrial, comercial e amadora: quais as diferenças?
                        Do ponto de vista econômico, do que falamos?
            A produção audiovisual como ferramenta na busca da cidadania
           
Audiovisual como indústria
            Organização e financiamento das produções
                        Leis de incentivo e financiamento direto
            Distribuição de obras audiovisuais
                        TV x On Demand/Streaming x Cinema

Introdução à linguagem audiovisual;
            Os Elementos do Cinema
            Evolução da linguagem cinematográfica

História dos formatos e suportes audiovisuais
            Primeiro contato com ferramentas
            Brincadeiras com a imagem estática

Os impactos da tecnologia digital no audiovisual

DIA 2
As etapas de produção audiovisual
Idéia
                        Roteiro
           Argumento/Idéia
           Dramaturgia
           Personagens
           Tipos de roteiros
                       Ficção
                       Documentário
                       Roteiro de Produção/Set
                                   Representação da imagem no roteiro
                                   Story Board
                       Pré-produção
                       Produção
                                   Arte
                                   Cenografia
                                   Figurino
                       Finalização
                       Distribuição
                       Exibição

Os profissionais no audiovisual
Direção Cinematográfica
Direção de Fotografia
Iluminação
Engenharia e Maquinária
Produção e Produção Executiva
Direção de Arte
Direção de Elenco
Preparação de Atores
Assistentes
Continuista e Contra-regras
Técnico de Som, Som direto e sonorização
Trilha Sonora
Edição e Finalização
Dublagem / legendagem
Animação
Cineclube / Exibição

Aspectos legais em uma produção audiovisual
            Direitos autorais
            Direitos trabalhistas/organização e regulamentação profissionais
            Responsabilidades diretas e compartilhadas

Experimentação da linguagem
            Construção coletiva de um roteiro
           

DIA 3
Oficina de Animação
            Conceitos fundamentais
            Técnicas de animação
            Ferramenta pedagógica

Oficina de Iluminação
            Luz como elemento de comunicação
            Cores e percepção
            Construção técnica de mapas e roteiro de luz
            Ferramentas e arsenal do iluminador
            Trabalho conjunto entre iluminador e fotógrafo
            Noções básicas de eletricidade e segurança
            Dimensionamento da luz

Pré-produção
            Finalização do roteiro de produção
            Divisão de tarefas e trabalho coletivo

DIA 4
Produção do vídeo do curso
            Cenografia
            Figurinos
            Sonorização/ambientação

DIA 5
Pós-produção
            Equipamentos e técnicas de edição
            Edição e sonorização do vídeo produzido no curso
Encerramento

Corpo Docente
Coordenador Pedagógico/docente: 
Edvaldo Almeida, jornalista, fundador do Núcleo de Pesquisa e Produção em Cinema e Vídeo ETHOS, vice coordenador da Comissão Municipal de Cinema e Vídeo da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (1998).

Docente: 
Ricardo Bastos, iluminador, fundador do Núcleo de Pesquisa e Produção em Cinema e Vídeo ETHOS, arte-educador e ator.

Docente: 
Diogo Gomes dos Santos, mestrando, historiador, cineclubista, diretor, roteirista.

Coordenadora Técnica da Proposta/Coordenadora do Projeto Cinematographo: 
Katiucia Zigiotto

Monitor/Bolsista: 
Rodrigo Lira Fabiano

Público Alvo e Número de Vagas
Jovens até 20 anos
25 vagas
Carga horária teórica:25
Carga horária prática: 10
Carga horária total: 35




BIBLIOGRAFIA
DONIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. 3ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
ARAÚJO, Inácio. Cinema: o mundo em movimento. São Paulo: Scipione, 1995.
MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 1990.
WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. Uma outra história das músicas. 2a. ed. São Paulo: Compania das Letras, 1989.
HOME, Stewart. Assalto à cultura: utopia, subversão, guerrilha na (anti)arte do século XX. 2ªed. São Paulo: Conrad, 2004.
BETTON, Gerad. Estética do cinema. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
MASCARELLO, Fernando (org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006.
COSTA, Antônio. Compreender o cinema. São Paulo: Globo, 1989.
ARMES, Roy. On vídeo. São Paulo: Summus, 1999.
MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense: 1988.
BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: A encenação no cinema. Campinas: Papirus, 2008.
DUBOIS, Phillipe. “Por uma estética da imagem do vídeo”. In: DUBOIS, Phillipe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.
MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2007.
LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho. Televisão, cinema, vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2004.
CANNITO, Newton. Manual de roteiro – ou manuel, o primo pobre dos manuais de cinema e TV. São Paulo: Conrad Livros, 2004.
RODRIGUES, Chris. O Cinema e a Produção. Rio de Janeiro: DP&A, FAPERJ, 2002.
KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Ateliê, 2001.
LANGNFORD, Michael. Fotografia Básica. Lisboa: Dinalivro, 2003.
Apostila elaborada para a disciplina Fotografia para Vídeo do curso de Audiovisual da Ufes, 2º semestre de 2011.
REY, Jovany Sales. O papel do cinema: Guia prático do roteiro cinematográfico. Vitória: Edição do Autor, 2006.
PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia: a construção do personagem. São Paulo: Ática, 1989.
COMPARATO, Doc. Da criação ao roteiro: teoria e prática. 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo, SP: Summus, 2009.
PUCCINI, Sérgio. Roteiro de documentário: da pré-produção à pós-produção. Campinas: Papirus, 2009.
XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico. A opacidade e a transparência. 3ªed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.
ARANTES, Priscila. @rte e mídia: perspectiva da estética digital. São Paulo, SP: Ed. SENAC São Paulo, 2005.
JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.
RODRIGUEZ, Angel. A dimensão sonora da linguagem audiovisual. São Paulo: Ed. SENAC, 2006.
DANCYGER, Ken. Técnicas de edição para cinema e vídeo: história, teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
MURCH, Walter. Num piscar de olhos: a edição de filmes sob a ótica de um mestre. Rio de Janeiro:
HULTENG, John L. Os desafios da comunicação: problemas éticos. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1990.
MIGLIORIN, Cezar; BRASIL, André. A gestão da autoria: anotações sobre ética, política e estética das imagens amadoras. In: Ciberlegenda, Rio de Janeiro #22, 2010.
DIAS, Adriana; SOUZA, Letícia de (Orgs.). Film Business: o negócio do cinema. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
MAMET, David. Sobre direção de cinema. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.
SERAFIM, José Francisco (Org.). Autor e autoria no cinema e na televisão. Salvador: EDUFBA, 2009.
FLUSSER, Vilém. A Filosofia da Caixa Preta. São Paulo: Hucitec, 1985.